Liberdade, Meditação, Yoga no dia-a-dia

Yoga no dia-a-dia

Compartilho aqui um belo texto que encontrei hoje no site do professor Carlos Eduardo Gonzales Barbosa, que ensina cultura sânscrita e Yoga.

“O objetivo do Yoga é moksha, liberdade. O autoconhecimento (Brahmavidya) é a chave para nos libertar do sofrimento que a ignorância (avidya) sobre quem realmente somos nos faz sentir […]

A iluminação é o reconhecimento. É nos reconhecermos como o Ser (brahman). O estado de Yoga é o estado natural do Ser. Enquanto yogis no caminho de auto-realização entramos e saímos deste estado. Assim é como nos diz o velho e sempre atual texto da Katha Upanishad: ‘Quando os cinco sentidos e a mente estão parados, e a própria razão descansa em silêncio, começa o caminho supremo. Esta firmeza calma dos sentidos chama-se Yoga. Mas deve-se estar atento, pois o Yoga vem e vai.’

Arrisco dizer que é relativamente fácil vivenciarmos este estado durante a meditação, em cima do tapetinho, ou quando contemplamos a natureza; difícil é se manter neste estado no cotidiano, nas relações que temos que viver na sociedade, no cumprimento das nossas responsabilidades (vyavahara).

O verdadeiro sádhana é quando procuramos aplicar na vida aquilo que estudamos e aprendemos em sala no tapetinho. Nosso desafio como yogisincero é refletir a atitude de Yoga em cada coisa que fazemos, a cada segundo que vivemos. Do contrário, continuaremos sendo os mesmos tolos de sempre, longe da auto-realização.

Ao assumir a ocupação de instrutor de Yoga não significa que já somos sábios realizados. Ensinando aos outros também estamos repetindo para nós mesmos o ensinamento, pois precisamos estar ouvindo sempre, nos mantendo no trilho da senda e é assim que nos tornamos um meio de transmissão desta tradição (parámpará). Espera-se do instrutor que passemos adiante o ensinamento sem deturpações nem invencionices, com coerência, honestidade, clareza e sinceridade. O dharmado professor é buscar sua realização e ajudar os outros a se realizarem.

Meu amigo Tales Nunes sabiamente afirmou em seu livro, intitulado “O Yoga e o Ser”, que “o maior ato que se pode fazer a si próprio é a ajuda aos outros”. Nós, yogis, inclusive professores, não somos santos, nem pessoas perfeitas. Temos defeitos e erramos como qualquer ser humano. Mas o importante é que podemos despertar em nós o que temos de melhor, de mais útil aos outros e ao todo. Igualmente, cultivamos nos nossos alunos o que eles têm de mais sublime para oferecer ao bem comum, sendo esse um dos nossos papeis na sociedade.”

O propósito do yoga e o papel do professor. VILAS BÔAS, A. Em http://yogaforum.org. 17/05/2011

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s